Ministério da Saúde informa que duas vacinas estão em falta no país

Desabastecimento abrange todo o território nacional e, de acordo com nota do Ministério da Saúde, o reabastecimento deve começar ainda neste mês.

No mês de agosto, o Ministério da Saúde emitiu a Nota Informativa nº 190/2019-CGNI/DEIDT/, prestando informações sobre a indisponibilidade da vacina pentavalente na rede de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). A Coordenação – Geral do Programa Nacional de Imunizações informou que haveria um lapso temporal no reabastecimento da rede com a vacina pentavalente, mas que já́ havia sido firmado contrato com a aquisição de 8 milhões de doses para o segundo semestre de 2019 e primeiro semestre de 2020.

O Ministério da Saúde informou ainda que os produtos (vacinas) já estavam em processo de embarque, com previsão de distribuição da rede durante o mês de outubro, após todo o processo de controle de qualidade ser finalizado. E que a ausência da distribuição da vacina penta por parte do Ministério da Saúde nos meses de agosto e setembro tratou-se de um fato excepcional e a distribuição já́ deve ser normalizada a partir do mês de outubro em todo o país.

Sobre a Tríplice bacteriana (DTP), neste ano, foram enviadas 2,4 milhões de doses aos estados, de acordo com o Ministério da Saúde. A distribuição foi reduzida devido a um problema de temperatura das doses (variação de temperatura no transporte para o Brasil). “A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aguarda parecer da OPAS (Organização Pan-Americana da Saúde) para avaliar a liberação do produto. Assim que as doses estiverem disponíveis, a distribuição será regularizada”.

Mesmo com a falta dessas vacinas, o Ministério da Saúde afirma que não há motivo para alarde em relação às doenças protegidas pelas doses. “Não há dados que ensejem emergência epidemiológica no Brasil das doenças cobertas pela vacina pentavalente. Ainda assim, neste momento, os estoques nacionais são suficientes para realização de bloqueios vacinais, caso surtos inesperados apareçam”, afirmou a pasta.

A vacina Pentavalente protege contra Difteria, Tétano, Coqueluche,  Haemophilus Influenza tipo B  e Hepatite B e deve ser aplicada aos 2, 4 e 6 meses de idade. A vacina Tríplice bacteriana (DTP), protege contra difteria, Tétano e Coqueluche e é aplicada nas crianças com 1 ano e 3 meses de vida.

A Secretaria da Saúde de Papanduva informa que as demais vacinas do calendário continuam sendo oferecidas normalmente a população e orienta os pais  e responsáveis que não deixem de comparecer na unidade de saúde com as crianças para receberem. A medida que o abastecimento das vacinas em falta for regularizado, as crianças serão chamadas pelas unidades de saúde para que sejam imunizadas.

Search  Search

View More Results…